jusbrasil.com.br
21 de Outubro de 2019

Brasil, governado de forma errada, porém, como se certa fosse.

Laerte Antônio Walter, Bacharel em Direito
há 11 meses

Esse é o nosso grande dilema, o erro, pois, infelizmente nas gestões governamentais desse ‘’ Gigante adormecido’’ que é o Brasil, administra - se de forma errada o país, porém, como se certa fosse, não há como questionar tal retrocesso.

Pois, diante disso, a filósofa Marilena Chaui no contesto da História, para os gregos ‘’se a política tem como finalidade a vida justa e feliz, isto é a vida propriamente humana digna de seres livres, então é inseparável da ética. De fato, para os gregos, era inconcebível a ética fora da comunidade política – pois, nela a natureza ou essência humana encontrava sua realização mais alta’’.

Sendo assim, ao analisarmos a nossa triste História política governamental, podemos observar que as coisas são feitas na maioria das vezes no Brasil, para não funcionar da forma correta, visto que, é isso que ocorre no país, contrariando assim a ética na política.

Tendo em vista que, as nossas autoridade governamentais, até tentam justificarem os erros, desses governos desorganizados em suas gestões públicas, entretanto, não convencem a sociedade de tais atrapalhas que têm ocorrido em suas administrações públicas, já que, a nossa triste história política se repete só muda o nome dos personagens.

Pois, na opinião da maioria dos políticos, não há defeitos em suas gestões administrativas, mas sim são meras crises políticas que fazem parte das gestões governamentais em qualquer administração pública, visto que, isso é um ciclo de cada gestão política.

Sendo assim, tudo fica muito claro para nós, pois, essa é a forma de se fazer política para, eles, manterem os interesses próprios de grupos minoritários conservadores corporativista, mas para isso funcionar é necessário a ‘’manipulação’’ do pensamento da sociedade para que apropria população acredite nas inverdades nos boatos construídos por aqueles que atuam de má – fé, com a finalidade de usar os cidadãos como ‘’massa de manobra’’, isso tudo para manterem os interesses de uma minoria corporativista elitistas que sempre esteve no poder as custas dos mais pobres.

Diante disso, com essa forma errada de se governar o Brasil, quem de fato perde são justamente as classes menos favorecidas, que têm nos principais setores sociais as suas maiores percas por exemplos: na saúde pública, na educação de qualidade, segurança pública e outros mais.

Sendo assim, diante desse governo de ideologias conservadoras quem se beneficia com essa forma equivocada de fazer politicagem são os grupos minoritários corporativistas com as tais políticas arcaicas e retrógradas que relembram o nosso triste passado das políticas: do clientelismo, coronelismo, do regime militar e entre outros mais.

Pois, para a Historiadora, Mayra Poubel, a própria nos esclarece o conceito de clientelismo:

‘’O clientelismo se caracteriza, de maneira geral, por uma forma de relação entre diferentes atores políticos envolvendo concessão de empregos, benefícios públicos e fiscais, vantagens econômicas, obras, donativos etc., em troca de apoio político, sendo traduzido na maior parte das vezes em votos para si ou seus aliados. Isto é um indivíduo ‘’vende’’ seu apoio político em troca de algum tipo de favorecimento pessoal tornando – se ‘’cliente’’ dos políticos capazes de oferecer algum tipo de benefício’’.

Diante disso, nos faz relembrar das velhas políticas do caudilho, coronelismo, dos governadores e do próprio subsistema da política do clientelismo esta última em plena ação na atualidade, assim, se construiu a nossa estrutura política que nossos colonizadores nos deixaram como triste legado de exploração. Sendo que, a principal mão de obra usada na época Brasil colônia de Portugal, era a mão de obra escrava proveniente do comercio da África.

Assim, nos explica a Historiadora, Ana Luiza Mello Santiago de Andrade:

‘’ a escravidão no Brasil ocorreu entre os séculos XVI e XIX e foi uma forma de exploração da força de trabalho de homens e mulheres africanas, sustentada pelo tráfico negreiro pelo oceano Atlântico. O processo de apresamento na África, seguido da travessia do oceano e a chegada em terras brasileiras foi bastante complexo. O fluxo de africanos de diversas partes do continente foi tanto que os escravizados chegaram a compor 75% da população em lugares como o Recôncavo Baiano, por exemplo’’.

Assim o historiador, Ademar Marques diz: ‘’ entre 1870 e 1914, a maior parte dos continente africanos e asiáticos foi dominada pelas nações capitalistas mais desenvolvidas. Como se sabe, o domínio foi brutal, desorganizando os modos de produção tribais, em benefícios único das potências capitalistas, que podiam importar matérias primas a baixo preço, vender produtos industrializados caros e exportar capitais para as áreas coloniais’’.

Sendo assim, com o passar dos tempos a nossa força de trabalho passou a ser remunerada, entretanto, de uma classe dominante sobre os dominados. Dessa forma, estes últimos são de fatos as mãos e os pés que são controlados por aqueles primeiros que pensam de forma errada propositalmente na maioria das vezes e querem que isso funciona como se certa fosse na governabilidade desse país, tudo isso para manterem os próprios interesses de uma elite conservadora, diante disso, ‘’fruto’’ dessa tolice emerge a corrupção que assola o Brasil.

Pois segundo o escritor Rafael Cláudio Simões, ‘’ a corrupção é um fenômeno social de múltiplas facetas e dimensões. O seu entendimento requer uma vasta gama de conceitos e teorias presentes nas ciências sociais. A corrupção pode ocorrer tanto na esfera privada quanto na pública. Na primeira, é conhecida como fraude e na segunda, é subdividida em corrupção burocrática e política, em que é necessário o envolvimento de pelo menos um agente público. A corrupção será de natureza burocrática, quando envolver servidores públicos menos graduados e de natureza política, quando envolver agentes políticos tais como: chefes do Poder Executivo e seus auxiliares (secretários e Ministros) ou membros do Poder Legislativo ‘’.

De certo que tudo isso, será para governar para manter interesses próprios de grupos minoritários que exploram as classes menos favorecidas em uma sociedade composta por maioria de favelados, sem tetos, pobres sem recursos para ostentarem os seus ideais.

Além disso, temos boa parte da classe média que infelizmente alimenta essa situação do vício da corrupção no Brasil. Pois, essa classe na maioria das vezes favorecem as políticas do apadrinhamento, para elegerem seus apadrinhados políticos, exemplo: ‘’conselhos são loteados com apadrinhamento políticos, câmara quer aumentar cargos de apadrinhados ’’. De acordo com jusbrasil e estadão.

Dessa forma, os eleitos irão trazer benefícios, porém, quase sempre para uma minoria que infelizmente vão alimentar essa estrutura política viciada por atos ilícitos que geram os atos de improbidade e por consequência disso, a corrupção, desse quadro político social de exploração de uma classe social sobre a outra.

Logo, não há expetativa de um futuro digno para a maioria da sociedade que vive presa a uma forma de governo do passado que infelizmente tem como herança a corrupção deixada por nossos colonizadores, misturando assim passado e presente dentro de uma forma estrutural governamental que retrocede, no tempo.

Diante disso, prolifera a corrupção gerida por um sistema controlado por uma elite corporativista composta de pessoas egoístas, infiéis, oligofrênicos, demagogos e hipócritas que querem o poder a qualquer custo não se importando com as graves sequelas que vão ficar por longas gerações, em virtude da má administração da coisa pública.

Portanto, o grande problema que nos atormenta no cotidiano é a corrupção que estar infestada em toda sociedade um vício que nossos colonizadores nos deixaram como herança maldita.

Dessa forma, a questão social do país não é ‘’jurídica’’ não são as leis que devem ser mudadas muito pelo contrário as nossas leis são muito eficientes por exemplo a Lei, 8429/1992 em seus art. , art. 2º, art. 3º, art. 4º, art. 5º, art. 6º, art. 7º, art. 9º, art. 10, e art. 11, e art. 17,§ 7 º todos da mesma lei, são ótimas, assim como estabelece o art. 85 e seus incisos e Parágrafo Único da Constituição Federal, que define a Lei dos crimes de responsabilidade, a 1.079/1950, pois essa definira os tais crimes que são dos Art. , Art. , Art. , Art. , Art. , Art. , Art. , Art. , Art. 10, Art. 11, e Art. 12 todos estes artigos dessa Lei, são muito eficiente no combate ao crime de responsabilidade, porém, o que falta é seriedade, honestidade e atitudes dos responsáveis para que as leis sejam respeitadas por todos.

É importante ressaltar que a própria matéria referente à improbidade administrativa praticada pelos agentes públicos encontra se disposta na referida Lei, 8429/92, editada para regulamentação do art. 37, § 4º da Lei Maior.

Sendo assim, a sua natureza jurídica sancionatória de improbidade, deve ser exposta nesse sentido: nas instância penal, administrativa e civil, pois, são independentes e que os atos de improbidade podem ser sancionados nas três instancias.

Diante disso, nas palavras do professor Matheus Carvalho, ‘’é importante saber, no entanto, que as sanções de improbidade prevista na Lei 8429/92, têm natureza civil, não impedindo, porém, a apuração de responsabilidades na esfera administrativa e na penal.’’

Ressalta se que ‘’conforme a jurisprudência prevalecente do Superior Tribunal Federal do (STF), os agentes políticos não se submetem ao regime da lei de improbidade administrativa (Lei, nº. 8429/1992), sendo – lhes aplicável o regime de responsabilidade jurídico administrativo especial.’’ Isso nas palavras de Wander Garcia.

Diante disso, nos remete o próprio ‘’STF, pois, ele entende que os agentes políticos que já respondem por crimes de responsabilidade não podem responder por improbidade administrativa, sob pena de bis in idem’’.

Dessa forma, nos dá a entender que as nossas Leis são muito boas, porém, elas são mal aplicadas em alguns casos, portanto, o Código Penal não irar resolver as questões sociais do Estado Democrático de Direito.

Na verdade o nosso maior problema é a questão política, visto que, os próprio partidos estão preocupados em defenderem interesses minoritários corporativistas de certas classes que se jugam donas do poder.

Sendo assim, isso acaba por refletir negativamente na administração pública nos setores das questões sociais do país tais como: da saúde, da educação, segurança pública e etc.

Portanto, isso que ocorre é herança da corrupção política que assola esse Brasil, temos tipos de exemplos de punições, de corrupção desses crimes que estão no código penal nos art. 317, do CP, que é corrupção passiva e da corrupção ativa do art. 333, do CP, que são aplicados nesse crimes e outros mais.

Sendo assim, o nosso Estado deveria controlar o sistema e não o contrário como tem ocorrido no país exemplo: como vêm ocorrendo dentro dos presídios, onde as facções controlam as ‘’regras’’ dentro das cadeias e na política a corrupção que cada vez mais ganha espaço nesse cenário maldito da politicagem, isso que vêm ocorrendo é ‘’fruto’’ da nossa herança política que nossos colonizadores nos deixaram como exploração e não colônia de povoamento como ocorreu no Estados Unidos.

Portanto, no que retrata as nossas leis de fato algumas deveriam ser revogadas, pois, estão ultrapassadas e outras são mal aplicadas, no entanto, com relação ao nosso Código Penal, os seus artigos são muito bons, salvo a exceção de alguns desses que estão ultrapassados pela modernização da sociedade, entretanto, no contexto geral o Código Penal é muito eficiente, porém, em hipótese alguma ele irar solucionar tais deficiências desse sistema falido corporativista criado por nossos colonizadores e gerido por nós.

Diante disso, essa problemática negativa da questão social no Brasil, ela ocorre devido a corrupção política que leva o país ao estado do caos social em que se encontra em plena decadência.

Dessa forma, o grande problema social, não é ‘’jurídico’’ com relação as leis, no entanto, sim é a corrupção política, que dá origem aos atos ilícitos como as barganhas dos cargos políticos dos nossos ministérios, secretarias e outros mais.

Sendo assim, esse subsistema da política do clientelismo acaba por gerar uma espécie de ‘’embrião’’, porém, cheio de vícios que dão origem atos ilícitos que formam ‘’os curais eleitorais dos grandes caciques’’ dessa política ultrapassada, desse nosso cenário político brasileiro corrupto.

Pois, de acordo com o escritor, Rafael Cláudio Simões, ‘’ no Brasil, como em outros países, o abuso de funções públicas para fins privados na administração é um problema grave. Exemplos deste fenômeno são revelados no contexto de investigações por comissões parlamentares de inquéritos, em ações do Ministério Público contra administradores municipais, nas auditorias dos Tribunais de Contas e mais recentemente, no programa de auditorias em municípios pela Controladoria Geral da União. Os problemas encontrados são de natureza diferentes e vão desde erros e desperdício de recursos em função da inexperiência administrativa até o abuso sistemático de recursos públicos em benefício próprio. Esta captura do Estado para fins privados inclui o desvio de verbas na realização de obras públicas e o loteamento da administração com familiares e amigos. Ela poderá alcançar até o envolvimento das autoridades locais com atividades criminosas’’.

Outro grande problema é a reforma política que deve ser feita o mais rapto, pois, é quase impossível de se governar um país como o Brasil com esses vários partidos políticos que são trinta e cinco (35) na atualidade em ação, porém, não há necessidade da existência desses vários partidos no meu modo de pensar, pois, três partidos seria mais do que justo um de ideologia de direita, outro de centro e um de ideologia de esquerda o resto é ‘’trocar seis por meia dúzia’’.

Diante disso, essas modificações pode ser feita com base no respeito a nossa democracia e nos princípios da proporcionalidade, razoabilidade, legalidade, moralidade e no princípio da eficiência da nossa Constituição Federal, pois, segundo, a Lei 9784/1999 em seu art. combinado com o art. 37 da Magna Carta.

Assim explica a doutrinadora em seguida:

De acordo com a professora, Fernanda Marinela, ‘’ o princípio da razoabilidade proíbe a atuação do administrador de forma despropositada ou tresloucada, quando, com a desculpa de cumprir a lei, age de forma arbitrária e sem qualquer bom senso. Trata – se do princípio da proibição de excessos. O princípio da proporcionalidade exige equilíbrio entre os meios de que se utiliza a Administração e os fins que ela tem que alcançar, segundo padrões comuns da sociedade em que se vive, analisando sempre cada caso concreto. A atuação proporcional da autoridade pública exige também uma relação equilibrada entre o sacrifício imposto ao interesse de alguns e a vantagem geral obtida, de modo a não tornar a prestação excessivamente onerosa para uma parte’’.

Diante disso, é mais do que justo manter o equilíbrio é a ponderação para evitar o excesso do número de partidos políticos que não trazem resultados positivos para a sociedade, visto que, atuam com finalidades de manterem interesses próprios gerando assim a desmoralização e desrespeitando o Princípio da Legalidade fortalecendo, dessa forma, negativamente o ciclo do subsistema da política do clientelismo é do apadrinhamento da politicagem.

Para o doutrinador, Marcelo Alexandrino, ‘’A EC 19/1998, incluiu a eficiência como princípio expresso, no caput do art. 37 da Constituição Federal. A inserção, em 1998, da eficiência como princípio explícito, no caput do art. 37 da Carta da Republica – artigo aplicável a toda atividade administrativa de todos os Poderes de todas as esferas da federação – foi consequência da implantação entre nós, que ocorreu especialmente a partir de 1995, do modelo de administração pública, conhecido como ‘’administração gerencial’’. Pretendia – se que esse modelo de administração substituísse, ao menos parcialmente, o padrão tradicional da nossa administração pública dita ‘’administração burocrática’’, cuja ênfase maior recai sobre o princípio da legalidade. A ideia básica é que os controles a que está sujeita a administração acarretam morosidade, desperdícios, baixa produtividade, enfim, grande ineficiência, em comparação com a administração de empreendimentos privados’’.

Sendo assim, o que de fato precisa mudar e a mentalidade a forma de se pensar dos nossos governantes em busca dos anseios da coletividade e excluir por completo os interesses pessoais dos nossos administradores públicos. Dessa forma, será possível falar em eficiência na gestão da coisa pública.

Enfim, para a Professora Maria Sylvia Di Pietro o princípio em foco apresenta dois aspectos, quais são:

A) ‘’ relativamente à forma de atuação do agente público, espera – se o melhor desempenho possível de suas atribuições, a fim de obter os melhores resultados,

B) Quanto ao modo de organização, estruturar e disciplinar a administração pública, exigi – se que este seja o mais racional possível, no intuito de alcançar melhores resultados na prestação dos serviços públicos’’.

Logo, o princípio da eficiência que tem como meta para a administração pública: a presteza, a perfeição e o rendimento funcional. Visto que, a finalidade desse objetivo é visar melhorar o funcionamento, a produtividade e a redução dos desperdícios dos gastos públicos com a finalidade de obter o lucro para a sociedade visando assim o bem comum.

Portanto, diante dessas explicações não é tolerável a existência desses vários partidos com ideologias muito parecidas que não trazem benefício algum para a sociedade até porque a maioria deles ‘’alimentam’’ o subsistema da política do clientelismo da troca de favores das negociações da politicagem do ‘’jogo sujo com cartas marcadas’’ para favorecerem os grandes ‘’caciques’’ dessa política arcaica e ultrapassada pelo tempo que só traz prejuízo para a sociedade.

Diante disso, nada mais justo do que aplicar o Princípio da eficiência na busca do interesses da população, tendo em vista, a desnecessidade da existência desses vários partidos políticos.

Sendo que os próprios ao ser eleitos e elegerem os seus representantes estes, acabam por não trazerem vantagem alguma para a sociedade. Pois, diante desse modelo equivocado com diversos partidos políticos o que ocorre é prejuízo para sociedade brasileira que fica há mercê desse subsistema da política do clientelismo que estar interligada diretamente com existência de diversos partidos políticos chamados de ‘’nanicos’’.

Visto que, esse modelo favorece exclusivamente apenas os interesses de uma minoria a elite corporativista numa sociedade, onde impera as disparidades sociais.

Diante disso, podemos analisar que essa forma de fazer política está reprovada por nós, já que, é contrário aos preceitos éticos da política honesta e dos conceitos prescritos nos princípios Constitucionais mencionados por esse autor. Sendo assim, não há como questionar tais princípios expostos por essa Constituição Federal, pois os mesmos estão na defesa dos interesses do povo, visto que, os próprios foram inseridos com a finalidade de proteger a coisa pública seja ela no âmbito do Poder Executivo, Legislativo e Judiciário, já que, cabe como meta para os nossos legisladores representantes da sociedade administrarem a coisa pública da melhor forma possível.

Na atual conjuntura de acordo com o cientista político, ele diz:

Portanto, de acordo com o cientista político Felipe d Ávila, ‘’ Se o fundo partidário continuar crescendo, os partidos sairão das dezenas para centenas. O sistema cria o incentivo para se criar novas legendas. Pode reparar a correlação dinheiro do fundo e aumento de siglas. No momento que o distribui a partidos sem muitos critérios, incentiva o surgimento. A cláusula de barreira e o fim da coligação partidária ajudarão a reduzir, mas seria melhor a coragem política de aprovar o voto distrital que diminuiria o número deles, aproximaria o eleitor do seu representante o fundo até o próximo ano, isso sim cortaria o combustível que alimenta essa indústria.’’

Diante disso, se isso fosse aprovado por nossos parlamentares amenizaria a corrupção no nosso cenário político, tendo em vista, a situação em que se encontra o nosso país envolvida numa crise política social.

Dessa forma, com a existência dos vários partidos políticos que sujem no país, ‘’ da noite para o dia’’ visto que, os seus objetivos e ideais políticos são muito parecidos na atualidade e isto não traz nenhuma vantagem ou benefício para a sociedade.

Entretanto, sim, acaba por fortalecer o ciclo da corrupção do doma lá dar cá, já que, é quase certo a existência desses vícios, entre as má lideranças políticas.

Dessa forma, é quase impossível de se fazer um governo que de fato resolva os problemas sociais do país, tais como do sucateamento da saúde, da educação e segurança pública, entretanto, eles preferem administrar esses vícios ‘’ o jogo do empurra com a barriga’’ que infelizmente leva o país a corrupção do famoso jeitinho toma lá dar cá, pois, é esse o grande problema a corrupção que nós devemos excluir, banir da forma de governar o Brasil, se de fato queremos nos tornarmos uma grande potência mundial.

Portanto, se de fato queremos construir uma sociedade mais justa com menos disparidade social devemos rever os nossos conceito de fazer política que estar equivocado que infelizmente está voltada a forma do passado de se governar para manterem os interesses da elite conservadora corporativista gulosa.

Visto que, vivemos num país, onde impera a vontade, o luxo de uma elite conservadora corporativista gulosa que vive ‘’ cercada numa ilha’’ isolada da realidade que ocorre nesse Brasil, tudo isso para ostentarem os seus ideais de uma elite individualista que só estar preocupadas com os próprios interesses.

Diante disso, ao fazemos um breve relato da História, pois, de acordo com a concepção de ‘’ Hobbes (no século XVII), segundo a qual, em Estado de Natureza, os indivíduos vivem isolados e em luta permanente, vigorando a guerra de todos contra todos ou ‘’o homem lobo do homem’’. Nesse estado, reina o medo e principalmente, o grande medo: o da morte violenta. Para se protegerem uns dos outros, os humanos inventaram as armas e cercaram as terras que ocupavam. Essas duas atitudes são inúteis, pois sempre haverá alguém mais forte que vencerá o mais fraco e ocupará as terras cercadas. A vida não tem garantias, a posse não tem reconhecimento e portanto, não existe, a única lei é a força do mais forte que pode tudo quanto tenha força para conquistar e conservar’’.

Sendo assim, nos fazem relembrar dos momentos difíceis em que a sociedade brasileira têm passado, visto que, essa elite corporativista, mesmo sabendo das dificuldades que se passa no país, de forma alguma aceitam a dar a sua contribuição positiva, pois, querem a todo custo manterem seus estados de vaidade as custas do sacrifício das classes menos favorecidas. Tanto é verdade que o próprio presidente, Temer concedeu amento para o Supremo tribunal Federal (STF) em plena crise política, econômica e social que vêm passando o Brasil.

Logo, a ‘’ corda sempre arrebenta do lado dos mais fracos ‘’, a isso podemos chamar a essa elite de cruéis, pois, são os mesmos que ocupam os principais cargos no Poder: Executivo, Legislativo e Judiciário.

Sendo assim, as classes mais sofridas do país, onde impera as desigualdade sociais, são vítimas e devem pagar essa conta com ‘’ sangue e suor ‘’ tudo isso, para manterem os privilégios de uma minoria corporativista que vive em suas casas rodeada de todo conforto.

Enquanto isso, o Brasil dos mais pobres prolifera: a miséria, a violência, a prostituição, o desemprego e outros mais, porém, no outro Brasil só alegria, pois essa é a nossa realidade na atualidade no Brasil.

Portanto, não há futuro para um país, enquanto o egoísmo, a ambição, a demagogia, a hipocrisia, proliferar na falácia dessa elite conservadora corporativista que infelizmente não merecem os estados de vaidade e luxuria que querem ostentarem as custas das classes mais pobres desse Brasil. Tudo isso, em virtude de uma forma de se fazer política equivocada que sempre beneficia a minoria corporativista desse país. Texto de minha autoria, Laerte Antônio Walter.

Fonte:

Convite A Filosofia / Marilena Chaui. – 5 edição. São Paulo: Ática, 1996.

História: Os Caminhos do Homem, 4 volume, Adhemar Martins Marques, Flavio Costa Berutti e Riccardo de Moura Faria. – Belo Horizonte: Editora Lê, 2 edição 1992.

Transparência Refletida / organizador Rafael Cláudio Simões. Vitória / ES, 2004. 230 p.

Vade Mecum Acadêmico de Direito Rideel Anne Joyce Angher, organização. – 26. Ed. – São Paulo: Rideel, 2018. (Série Vade Mecum)

ISBN 978 – 85- 339 – 5040 – 5

1 . Direito – Brasil 2. Legislação – Brasil 3. Manuais, vade-mécuns etc. I. Angher, Anne Joyce.

17 – 1890 CDU -34 (81) (02)

Direito administrativo / Matheus Carvalho. – 8.ed. rev., atual. e ampl. – Salvador Bahia: JusPODIVM, 2017.

Como passar na OAB: 5000 questões / Wander Garcia. 13. Ed. – Indaiatuba, SP: Editora Foco Jurídico, 2017. (Coleção como passar)

Direito administrativo / Fernanda Marinela. – 8. Ed. – Niterói: Impetus, 2014.

Direito administrativo descomplicado / Marcelo Alexandrino, Vicente Paulo. – 22. Ed. Rev., atual. e ampl. – Rio de Janeiro: Forence, São Paulo: MÉTODO, 2014.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 22. Edição. São Paulo: Atlas, 2009.

(1) https://www.infoescola.com/política/clientelismo/

(2) https://www.infoescola.com/historia/escravidao-no-brasil/

(3) https://www.gazetaonline.com.br/noticias/política/2017/05/congresso-quer-barrar-partidosapartir-de...

(4) https://mp-pr.jusbrasil.com.br/noticias/590944/conselhos-são-loteados-com-apadrinhados-políticos

(5) https://política.estadao.com.br/noticias/geral,câmara-quer-aumentar-cargos-de-apadrinhados,734985

4 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Essa é boa...

Um texto que critica um governo que sequer começou, que acusa o conservadorismo de manipular a sociedade para se beneficiar, esquecendo-se da realidade que funcionou de 2003 a 2016, quando o PT corrompeu não só os poderes da república mas também espraiou doutrinadores em todas as esferas do ensino para angariar componentes à sua luta ideológica; que criou redes de difamação de opositores; que fez com que institutos de pesquisa SEMPRE errassem a seu favor; que comprou blogs e sites para inventar manchetes beneficiando-os e acusando os opositores de coisas e crimes nunca cometidos, e que por fim, não satisfeito em falar tanta asneira, ainda exalta uma figura histriônica como Marilena Chauí e a alça ao patamar de filósofa. É pra acabar!

Esse texto deveria ser postado no brasil 247 ou na carta capital, catraca livre e afins, não aqui.

Haja balde para tanta lamúria esquerdista!

Sugiro procurar um psicólogo antes que seja tarde demais. continuar lendo

Boa colocação, consegui ler até o 6º parágrafo mas, o excesso de citações me encheu. Podemos fechar no seguinte acordo Digníssimo Sr., TODOS OS GOVERNOS E VIÉS POLÍTICOS SÃO INÚTEIS. OK?

Se acredita que não, que existe utilidade e só temos um problema ético, então lá vai aí uma dica gratuita para, realmente, não só se formar em direito - isso todos fazem - mas, sim, ter uma formação jurídica e humanista, leia "A Teoria do Discurso" de Harbermans e entenderá o problema ético na política e das formas de governo.

Forte abraço. continuar lendo

Agora dá para se fazer uma brevia avaliação do que será o governo do ditador, Jair Bolsonaro, depois das indicações dos seus principais ministros que irão compor esse governo que são quase todos eis militares que estão com saudades do regime militar, isso, não é nada bom para nossa democracia.
Além do mais nobre colega, Texano, período de transição do governo Temer para Bolsonaro ou seja os governos das elites continuidade de um governo que foi reprovado pela sociedade brasileira, essa é a minha opinião nessa democracia, OK. Porém, com relação a suas ideologias eu tenho o profundo respeito, apesar de não de conhecer pessoalmente, até porque em uma sociedade democrática cada cidadão tem o direito de reivindicar seus direitos de ir vim, pois o próprio jusbrasil, deixa isso bem claro em seu sítio eletrônico. Logo, em uma sociedade democrática com base no art. 1 e Parágrafo único da Constituição Federal, além disso, o art. 5, Inciso, II, da CRFB.

Dessa forma, podemos fazer uma comparação, do que possa ser esse futuro governo: imagine os senhores se você têm um computador que tem entre 3 a 5 anos de uso, ele já não funciona da forma como deveria ocorre em virtude da desatualização da tecnologia do seu computador, pois, ao ligar a sua máquina obsoleta tu verás que o rendimento dela é péssimo em comparação a um computador atualizado.

Bom, isso provavelmente ocorrerá com esse governo que governará o país com as velhas políticas arcaicas ultrapassada pelo tempo. Diante disso, o pais estará sujeito a um grande retrocesso ideologicamente: tanto, na política, na economia, nos setores sociais e na forma de administra a coisa pública não há como questionar esse fato, pois a maioria deles são pessoas que têm uma visão desatualizada não estão alinhado com a realidade do mundo moderno.

Visto que, o seus ministros e secretários são defensores de um sistema de governo desatualizado, logo, quem na verdade está adorando isso é o TIO SÃN, POIS ELE, JÁ DIZIA: ‘’VENHA A MIM AS CRIANCINHAS.’’ Então, podemos observar que a maioria dos ministros secretários e outros mais e o próprio ditador eleito vão na verdade navegar na contra mão ou seja ‘’empurrar o enfermo o país de morro abaixo’’, pois o próprio Bolsonaro já diz: se eu afundar o país afunda junto. Diante disso, salve - se quem puder. Portanto, é um absurdo ouvir tal comentário de um Presidente da República. continuar lendo

Esse exemplo: deveria ser seguido por nossas supostas autoridades, pois, no Brasil a sociedade sente vergonha de ver e ouvir uma autoridade falar em justiça, visto que, os mesmos não têm moral, não têm ética, não têm respeito pelo cidadão comum de bem, pois os próprios se jugam serem uma espécie de classe que querem tratamento específicos, visto que, negociam acordos como por exemplo: auxílio moradia em troca de autos subsídios e o pior de tudo para se auto defenderem das suas hipocrisias atuam como uma sociedade corporativista elitista conservadora, uma vez que não aceitam de forma alguma a dar a sua contribuição para o país só querem sugar das classes menos favorecidas. Que país é esse, meu DEUS.

Portanto, é necessário fazemos uma REVOLUÇÃO, nesse país, não dá para suportar tantas demagogia, hipocrisia, dessa elite corrupta, pois isso é crime de suborno, visto que, um Ministro fazer tal ‘’exigência’’ de tal acordo para retirar o auxílio moradia em troca dos autos salários é o cumulo do absurdo com o poder Executivo isso é o fim da credibilidade.

Fonte:
https://www.youtube.com/watch?v=Ga3VUTnx0_g&feature=youtu.be&fbclid=IwAR1SnW8ce6wIfD6Bc4grApB6LWCDqYz7z0vUWKFGjyBDN9BoChMOlg_sv9c continuar lendo